Editorial Mensageiro da Paz – Ano 80 – nº. 1497

Uma das marcas da pós-modernidade (como é definido, pela maioria dos cientistas sociais, esse período da História em que estamos vivendo) é a relativização dos valores. Entretanto, é importante notar que a relativização de valores, que em si mesma já é um mal, não se constitui o final do processo de degeneração moral por que passa a humanidade, mas é apenas uma etapa para se chegar à conclusão lógica de sua implementação. A relativização dos valores, via de regra, é tão somente o primeiro passo para a inversão de valores.

Primeiro, se relativiza o valor para, depois, substituí-lo por outro com o qual foi equivocadamente equiparado no processo de relativização. A relativização não objetiva a lógica hegeliana de tese + antítese = síntese (lógica esta inaplicável na maioria esmagadora dos casos). O seu objetivo é forçar uma equivalência absurda entre a virtude e o vício para, mais à frente, tornar a virtude um vício e o vício, uma virtude.

Eis um exemplo atual disso: Recentemente, a psicóloga francesa Maryse Vaillant lançou um livro intitulado Les Hommes, I’amour, la fidélité (“Os homens, o amor e a fidelidade”). Essa obra é um sucesso de venda em seu país. Mas, o que Vaillant defende ali?

Diz a psicóloga francesa que “a infidelidade conjugal é essencial para o funcionamento psíquico de muitos homens, que não deixam de amar suas mulheres por causa disso” (sic). Ela defende que a maioria dos homens precisa de seu próprio espaço e considera a infidelidade deles “quase inevitável”, além de considerar que aqueles que não têm casos extraconjugais podem ter “uma fraqueza de caráter” (sic). Explica Vaillant: “Eles são normalmente homens cujo pai era fisicamente ou moralmente ausente. Esses homens têm uma visão completamente idealizada da figura do pai e da função paternal. Eles não têm flexibilidade e são prisioneiros de uma imagem idealizada das funções do homem”.

Ou seja, para Maryse Vaillant, uma das psicólogas mais famosas da França e uma senhora divorciada há 20 anos, infidelidade conjugal é virtude e fidelidade conjugal é “fraqueza de caráter”, é “anomalia”, algo praticamente “doentio”, “patológico”. Inclusive, ela enfatiza que aceitar a infidelidade masculina pode ser “uma experiência libertadora para as mulheres”. É a beatificação da infidelidade e a condenação da fidelidade! Isso não é relativização de valores. Isso já é inversão total de valores. Mas, só pôde-se chegar a esse ponto (de defesa acadêmica da imoralidade) na sociedade ocidental porque, primeiro, houve uma relativização do que é o casamento e o seu valor até chegar ao ponto em que todo o conceito bíblico e moral de casamento se esvai, sendo substituído pelo seu inverso.

Todos os princípios morais e bíblicos sobre o casamento, como os de Êxodo 20.14, Mateus 5.27,28, Provérbios 5.18 e Hebreus 13.4, passaram agora a serem vistos como algo até mesmo “pernicioso”. E é exatamente o mesmo que está sendo feito em relação ao homossexualismo (vista hoje como natural) e à religiosidade (vista por alguns como “mal social”). Cabe a nós remarmos contra a maré dessa época, chamando as coisas pelos seus verdadeiros nomes.

Fonte: CPAD