Podem me chamar de conservador, ortodoxo e até mesmo de legalista (o que espero não ser), mas um coisa é certa, não abro mão de minhas convicções. Não aceito as bizarrices que invadem a prática evangélica hodierna, especialmente aquelas que tentam se legitimar sob o manto da falsa espiritualidade.

Não há como compactuar com o “nudismo evangélico” nem mesmo com o “vale-tudo cristão” (prática recentemente adotada em São Paulo onde ringues de luta são montados para atrair mais jovens para os cultos).

Interessante é ver praticantes e idealizadores tentando, em ambos os caso, justificar tais condutas. Quanto ao nudismo, uma “pastora” disse: “O naturalismo não tem conotação sexual”; “Vemos a nudez com olhos do espírito, sem malícia”; “A igreja evangélica está recheada de dogmas e tabus. Somos tolhidos de vermos o mundo como é”.

Não, não é não! De modo algum somos tolhidos de vermos o mundo como é; bem ao contrário, somos conclamados a não amá-lo (I Jo 2.15), não agirmos e nem nos conformar com ele (Rm. 12.2). A Bíblia não nos proíbe de vislumbrar o mundo; mas, parece-me, tenho plena certeza disso, somos tolhidos de vermos os órgãos sexuais de outras pessoas, ainda que “com os olhos do espírito”. E para ser bem sincero, não sei qual o real sentido da expressão “com os olhos do espírito”. É possível assistir um filme pornô “com os olhos do espírito”?

Quanto às lutas em templos evangélicos, um dos idealizadores foi bem claro sobre a intenção do evento: “Queremos atrair mais jovens”. Esperem aí. Agora vale tudo (desculpem o trocadilho) para atrair adolescentes e jovens para as igrejas?. Será que os fins justificam os meios. Será que o importante é levar as pessoas para a igreja independente do método empregado, mesmo que tais métodos sejam ilegítimos?

Acredito que não. Mesmo porque, os jovens do mundo procuram a igreja não é em busca de algo idêntico àquilo que eles já praticavam. Ele buscam a Cristo exatamente por estarem cansados do mundo e fartos das suas práticas. Eles querem algo novo. Estão em busca de alimento para suas almas cansadas e sedentas. Algo que transforme suas vidas. Eles querem algo diferente, novo, e que os faça viver.