Holanda e o mito da liberação da maconha

Vocês se lembram da Holanda? Aquela que liberou o uso da maconha e tem sido usada como exemplo por aqueles que fazem apologia à sua liberação no Brasil? Ou ainda, vocês se lembram daquele velho mito de que a liberação acabará com o tráfico?

Pois então. Se você se lembra, dê uma olhada na notícia abaixo que retirei lá do blog Gente Sem Futuro.

Polícia holandesa descobre 7 toneladas de maconha em depósito

A polícia de Amsterdã encontrou 7 toneladas de maconha e haxixe em um depósito próximo ao aeroporto de Schiphol, com valor estimado de 40 milhões de euros.

Segundo a polícia, o esconderijo foi localizado no dia 17 de agosto após a prisão de um homem de 35 anos, suspeito de vender drogas. Eles também detiveram sua namorada e uma pessoa que alugava o espaço do depósito.

A Holanda tem cerca de 700 “cafés” onde a venda de maconha é permitida, mas limitada a 500 gramas em estoque. Isso significa que a quantidade encontrada poderia fornecer às lojas 20 vezes a quantidade limite.

Fotos no site da polícia mostravam um contêiner cheio de caixas de papelão, cada uma contendo tijolos embrulhados de maconha e haxixe.

A posse de pequenas quantidades de drogas leves como maconha é legalizada dentro da lei holandesa, mas o tráfico de grandes quantidades é considerado um crime grave.

Policiais holandeses já realizaram diversas apreensões neste ano, enquanto traficantes se tornam cada vez mais criativos para tentar contrabandear as drogas através dos pontos de passagem de carga — o aeroporto de Schiphol, o principal do país, e o porto de Roterdã.

Entre as grandes apreensões realizadas este ano foram encontradas drogas escondidas em remessas de uísque da Jamaica, abacaxis do Panamá e rosas da Colômbia.

Fonte: [UOL]

***

Agora, vem cá: Se a Holanda não conseguiu acabar com o tráfico, o Brasil – que é o Brasil,  - vai conseguir? Ah. Façam-me o favor…

Área de comentários

opiniões

29 thoughts on “Holanda e o mito da liberação da maconha

  1. jorge

    Que mania de falar de Holanda. Esquece a Holanda, pesquisa sobre Portugal. Seras bem mais feliz.

    Reply
  2. Alex

    Ok! Liberam a maconha. Até parece que esta é a única ou maior fonte de renda do tráfico. E a cocaína? Heroina. Ecstasy. Crack. Cola. Lança-perfume. E por aí vai. Vão liberar elas tb?

    Reply
  3. ícaro

    milhares de brasileiros são usuários de maconha e se qualquer um deles é pego com a referida droga, mesmo em pequena quantidade, pela polícia, é levado a delegacia, ou seja é constrangido.o alcool é liberado, vendido em qualquer esquina. o alcool tranforma as pessoas, além de ser ridículo uma pessoa bêbada pode ser perigosa e se estiver no transito pior, quantas pessoas foram mortas por causa do alcool? já a maconha que é uma droga que traquiliza o usuário é humilhado… que preconceito é esse? abaixo o preconceito…

    Reply
    1. sandman

      Nos nao precisamos de mais uma droga. Grande soluçao. Por que existe uma droga livre entao temos que liberar todas. Outra caracteristica tipica de usuarios de drogas é chamar os outros que são contra as drogas de preconceituosos. Alias, tipico dos seguidores da SANTA INQUISAÇAO ESQUERDISTA de hoje. No passado. quando um católico queria calar a boca de alguem, chamava-o de Ereje ou Brucha. Nós vivemos esta mesma articulação hoje em dia. Basta chamar os outros que não concordam com a filosofia (religiao) esquerdista de fascistas e pronto. Seus problemas foram resolvidos.

      Reply
    2. Marcos de Oliveira

      OOO maconheiro, tem ocorrido muitos acidentes em que o motorista está chapado com drogas.Então maco! quando tu for viajar de avião e ve que o piloto tá fumando um baseado espero que ocorra uma boa viagem ok?

      Reply
    3. Grilo

      Concordo 100%, aqui em Amsterdam tudo é diferente.

      Reply
  4. roger

    o que devia ser proibido era o alcool que mata varias pessoas de varias formas diferentes direta e indiretamente, e ate pessoas que não o usam, como é o exemplo do transito. maconha não muda o carater de ninguem , so tranquiliza. e o alcool???

    Reply
    1. RONALDO

      MACONHA NÃO MUDA CARÁTER…MAS MUDA O ESTADO DE ATENÇÃO, DE PERCEPÇÃO E DE REAÇÃO… MOTORISTAS CHAPADOS DE MACONHA INVÉS DE ÁLCCOL COMETERIAM UM NÚMERO ABSURDO DE ACIDENTES TAMBÉM…

      Reply
      1. Renato

        Compare os acidentes feitos pelo álcool no volante com os acidentes da maconha, o da maconha são batidas leves, o álcool a pessoa fica mais corajoso e pisa com tudo.
        Melhor viciar em maconha do que no álcool, álcool é capaz de tirar vida do usuário de forma rápida e de terceiros.
        Maconha não é uma coisa ruim, você foi manipulado pela sociedade, de um pega, experimente, se tu não gostar mesmo te dou razão pra ser contra, se tu gostar mude sua opinião, Maconheiro SIM vagabundo NÃO!!

        Reply
  5. Aztonio

    Em vez de maconha, vamos libera o uso de feijão, arroz carne, esta tudo pela hora da morte.

    Reply
    1. Bruna xuxa

      é isso falou tudo! tanto coisa boa pros governantes se preocuparem,tanta gente com fome e querem liberar mais um vício como se já não bastasse o álcool e o cigarro.
      Milhares de pessoas ficam doentes por causa do álcool e do cigarro,câncer,sirose etc.Agora mais a maconha q causa até demência tudo isso pro governo pagar com o sus ou melhor pra nós trabalhares pagarem através dos impostos,enquanto para a educação ninguém investe.Ninguém faz uma marcha pra novas universidades mais para drogas todo mundo faz.Por favor ne gente se toquem.

      Reply
  6. CLEIANE SALGADO

    É muito facil querer liberar a Maconha quando nunca se perdeu um filho para as Drogas , ou quem nunca teve a famila destruida pelo vicio .

    Reply
    1. Rasta

      Voce perder um filho pelas drogas , é uma coisa
      perder para traficantes é uma coisa
      mais aquele que tem a consiencia, nao se envolve com outras coisas eu ja fumei durante dois anos agora parei
      nunca me envolvi com pessoas que nao prestam nunca tive uma divida e nunca usei nada alem da Ganjah
      E aquele que tem consiencia do que faze Jah; Haile Selassiê cuida ! ele sabê quem esta para o bem e quem esta para loucura
      entao Jah bless you e lamento a sua perda!

      Reply
    2. ionara soares de almeida

      É isso mesmo nem fale é tão triste perder um ente querido é como se nós tivéssimos perdido a parte do corpo que a gente mais gostava.Ainda mais por causa da maconha.É tenso!!!

      Reply
  7. Davi

    a liberaçao so interessa para alguns politicos q so estao pensando no imposto q irao arrecadar e nos viciados que nao conseguem enfrentar os problemas do dia dia e se refugiam na fumaça dessa maldita ervA. Já basta os embrigadfos que matam vao pra delegacia pagam uma fiança e vao embora rindo. Vcs ja imaginaram um dopado com maconha dirigindo e atropelando/ Será mais um pagando fiança e indo embora rindo. Ai nos os brasileiro iremos falar ¨fumo maconha socialmente¨ e aqueles que nao sabem se controlar como os bebados? NAO. MIL VEZES NAO.

    Reply
  8. Lih

    Quer liberar a maconha, ok, libera. Mas libera tudo. Porque não é só a maconha que faz um traficante (Y)
    Como disseram ai em cima, vão continuar vendendo cocaína, ecstasy, crack, e etc. Legalização da maconha NÃO VAI acabar com o tráfico.

    Reply
    1. kateryne

      se vcs querem liberar que libere……………eu nao fumo maconha mesmo;que se dane o mundo;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Reply
      1. ionara soares de almeida

        Que pena que vc pensa assim.poderia ser diferente. pois não é assim que vive em uma sociedade temos que pensar em todos pois todos são seres humanos e merecem respeito.
        não é que se dane o mundo mais sim que se danem pessoas com a opinião igual a sua.

        Reply
  9. ronaldo rogerio barbosa

    a maconha não pode ser liberada pois se assim acomtecer,vai dar um grande problema pois todos vão querer comercialisar a erva até mesmo eu e então todos vão querer virar traficante eis a pergunta,que é que vai compra se esta todo mundo vendendo?eis a questão.

    Reply
  10. Wanderley

    OMUNDO ESTÁ VIRADO DE CABEÇA PRA BAIXO ONDE JA SE VIU LIBERAR A MACONHA PARA PIORAR O SISTEMA DE SEGURANÇA DO PAÍS COM TANTOS POLICIAIS CORRUPTOS BANDIDOS EN VES DE PROTEGER A SOCIEDADE CAUSA MAIS PANICOS, SE LIBERAREM A MACONHA HAERÁ ATE GUERRAS INTERNAS…
    SEM COM TAR COM AS FAMILIAS QUE SERÃO DESTRUIDAS POR CAUSA DESSA DROGA

    Reply
    1. ionara soares de almeida

      É isso aí é bom saber que há pessoas que AINDA LUTAM PARA A MELHORIA DE UMA SOCIEDADE POIS SOU NOVA, MAIS COM UMA CONSCIÊNCIA super formada uma opinião formada sobre o que eu quero para mim e para minha familia apesar de que se concelho não é bom porque se fosse bom não se dava e sim vendia ainda me arrisco pois minha opinião é que vale!!!

      Reply
  11. ionara soares de almeida

    na verdade há muitos de que discordam dessa visão,com base de argumentos poderosos mais a liberação da maconha aumentará o consumo e mais pessoas vão querer experimentar mais pessoas vão ficar dependentes dessa droga miserável.e a liberação da maconha é a chave para que daqui a um tempo vão querer legalizar outros tipos de drogas,e sem ser liberada já estamos vendo pessoas morrerem com a droga e se liberar? Mais gente sofrerá de psicoses esquizofrenia e outros males associado a essa droga. mais gente morreria e mais familias sofreriam ao perder um parente querido pois por pior que seja ele fará falta para alguém.Legaliza-la significa torna-la disponível, vocÊ quer isso mesmo?pense bem pois se ponha no lugar de um parente que ao perder um ente querido sofre.

    ionara soares de almeida. 8 serie 15 anos de idade.

    Salobrinho Ilhéus/bahía/

    Reply
  12. Milton Corrêa da Costa

    O GOVERNO DA HOLANDA CONFIRMA: MACONHA FAZ MAL À SAÚDE

    Milton Corrêa da Costa

    A chamada “corrente progressista”, encabeçada no Brasil pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que objetiva a descriminalização e legalização de drogas, a começar pela maconha, inclusive com direito a cultivo para uso próprio, acaba de sofrer um duro revés. A Holanda anunciou, nesta sexta-feira, uma política de menor tolerância com a maconha. O governo holandês declarou que vai nivelar a chamada “maconha de alta concentração”, vendida no país, na mesma classificação de tóxicos como a cocaína e o êxtase, drogas consideradas pesadas. O ministro da Economia da Holanda, Maxime Verhagen, afirmou que a droga, com mais de 15% na composição de sua substância psicoativa, o tetrahidrocanabinol (THC), tem uma potência muito maior do que a forma mais leve da erva. Segundo ele, o tóxico “causa um prejuízo crescente na saúde pública do país”. A medida é o passo mais recente do governo holandês para tentar reverter a notória política de tolerância da Holanda com as drogas.

    Assim chega-se á conclusão, após diferentes estudos e pesquisas empreendidas aqui citadas, que a cannabis não é tão inofensiva e recreativa como alguns imaginam. O hábito de fumar maconha, mesmo em pouca quantidade, pode danificar a memória, segundo recente estudo elaborado pela Universidade Federal de São Paulo(UNIFESP). Quando o uso é crônico e se inicia antes dos 15 anos de idade, o risco é ainda maior, devido ao efeito tóxico e cumulativo do tetrahidrocanabinol (hoje mais potente pelas mutações genéticas), no desempenho cerebral.

    Ficou constatado, por exemplo, que no exame toxicológico efetuado no jovem Carlos Eduardo Sandfeld Nunes, de 24 anos, assassino confesso do cartunista Glauco Villas Boas e do seu filho Raoni, fato ocorrido, no ano de 2009, em São Paulo, que ele se encontrava sob o efeito de maconha no momento do crime. Ressalte-se que Cadu, apelido do homicida, fumava cannabis desde os 15 anos, não estudava nem trabalhava , passando a traficar a droga e apresentava surtos psicóticos (alucinações e delírios).

    Tal fato remete-nos a uma pesquisa – foi publicada tempos atrás nas páginas da Internet com notícia originária de Londres – onde mostrou que jovens que fumam maconha por seis anos ou mais têm o dobro de possibilidade de sofrer de episódios psicóticos do que pessoas que nunca fumaram a droga. As descobertas fortalecem uma pesquisa anterior que relacionam psicose à droga, particularmente em sua forma mais potente, o skunk. Apesar da lei que proíbe, em alguns países, o consumo da cannabis e outras formas, cerca de 190 milhões de pessoas são usuárias de maconha no mundo, segundo estimativa da ONU, o que envolve 4% da população ativa. O país com o maior número de consumidores é a França.

    John McGrath, do Instituto Neurológico de Queensland, na Austrália, estudou mais de 3.800 homens e mulheres nascidos entre 1981e 1984 e comparou seus comportamentos, após completarem 21 anos de idade, para perguntar-lhes (já eram pacientes) sobre o uso da maconha em suas vidas, avaliando os entrevistados para episódios psíquicos. Cerca de 18% relataram uso de maconha três anos ou mais, cerca de 16% de quatro a cinco anos e 14% durante seis ou mais anos.. Comparados aos que nunca haviam usado cannabis, jovens adultos, que tinham seis ou mais anos desde o primeiro uso da droga, tinham duas vezes mais chances de desenvolverem psicose não afetiva, como esquizofrenia, disse McGrath, conforme estudo publicado na revista de psiquiatria “Archives of General Psychiatry.

    Mais uma voz responsável surge para acabar com essa ideia de que a maconha é uma droga inofensiva. A diretora do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (Nida, em inglês), a mexicana Nora Volkow, jogou mais uma pá de cal nessa falácia: “ Há quem veja a maconha como uma droga inofensiva. Trata-se de um erro. Comprovadamente, a maconha tem efeitos bastante danosos. Ela pode bloquear receptores neurais muito importantes. Estudos feitos em animais mostraram que, expostos ao componente ativo da maconha, o tetrahidrocanabinol (THC), eles deixam de produzir seus próprios canabinoides naturais (associados ao controle do apetite, memória e humor). Isso causa desde aumento da ansiedade até perda de memória e depressão. Claro que há pessoas que fumam maconha diariamente por toda a vida sem que sofram consequências negativas, assim como há quem fume cigarros até os 100 anos de idade e não desenvolva câncer de pulmão. Mas até agora não temos como saber quem é tolerante à droga e quem não é. Então, a maconha é, sim, perigosa” – afirmou a psiquiatra que conduziu na década de 80 os estudos comprovando que a cocaína causa dependência química, além de graves danos ao cérebro.

    Assim sendo, ainda que conclusões científicas precisem ser relativizadas mormente quanto a um tema tão polêmico – cada caso é um caso – não se pode desconsiderar tais estudos. A busca de estados alterados de consciência, através do uso de drogas ilícitas -não estamos falando das drogas livres sob o ponto de vista legal e jurídico nem das controladas por receita médica- é própria da espécie humana desde a antiguidade e os progressistas vem afirmando, cada vez com mais ênfase, que o mundo definitivamente perdeu a guerra contra as drogas ilícitas. Ou seja, a política atual seria um verdadeiro fracasso e o caminho do bom senso seria a descriminalização do uso de drogas. O estado não teria inclusive o direito de proibir o uso. A grande vantagem seria o enfraquecimento do crime organizado, sem falar na redução da corrupção policial que a ilegalidade da droga sempre proporciona.

    Tais argumentos são válidos não resta dúvida, até porque abstinência total de substâncias entorpecentes ilegais seria utopismo imaginado pelos conservadores. Obviamente que o mundo sem drogas não existe. As drogas sintéticas e as ‘legal highs’, fabricadas em geral nos países mais ricos, são inclusive as que tiveram maior aumento de consumo nos últimos anos. A questão é saber- não há certeza sobre tal dúvida- se uma política de enfrentamento ao problema com a descriminalização seria de fato o cerne da estratégia que propiciaria o efetivo controle do estado e a consistente redução de danos. Há que saber também quanto se gastaria com despesas de recuperação de dependentes numa política mais permissiva.

    Registre-se que apesar do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack o país não está conseguindo conter a epidemia do uso da chamada ‘droga da morte’. Tal plano não tem sido capaz de atender a 1/3 dos 95% dos municípios envolvidos com a gravíssima questão que põe em risco toda a juventude. As cracolândias espalham-se rapidamente pelo país. O oxi, droga mais devastadora ainda que o crack, também já está presente em 13 estados brasileiros, fazendo crescer a ameaça aos mais jovens.

    Por outro lado, num recente debate, na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, concluiu-se que a venda indiscriminada de bebidas a jovens, sem o devido controle, além de funcionar como uma espécie de porta de entrada para o consumo de outras drogas, seria argumento suficiente para derrubar qualquer inciativa de liberação do consumo de drogas no país. Sobre o perigo do crack. O médico psiquiatra Emanuel Fortes Silveira Cavalcanti, representante da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), presente ao debate da comissão do Senado, lembrou que o consumo da droga tem aumentado no país e que, em Goiás, por exemplo, 60% dos julgamentos de crimes têm como réus usuários da droga. Ele não poupou críticas à “falta de controle” do governo sobre as indústrias químicas que fabricam éter e acetona, insumos fundamentais para o refino da cocaína e, por consequência, do crack, que é um derivado da droga.

    A realidade é que descriminalizar e legalizar drogas no país pode ser um verdadeiro tiro no pé. Neste caso a emenda poderá ser pior que o soneto. À sociedade e ao governo fica bem claro que o melhor caminho continua sendo a prevenção e o tratamento para recuperação dos dependentes e os “usuários recreacionais”, ainda que também estes financiem os fuzis do tráfico e a violêncis. A Holanda acaba de constatar e mostrar ao mundo que quando o assunto é drogas não há verdades absolutas e acabadas. Por enquanto, no Brasil, a guerra às drogas tem que prosseguir. O país não pode virar palco permissivo de uma legião de jovens drogados, amotivados e sem rumo.

    Milton Corrêa da Costa é coronel da PM do Rio na reserva

    Reply
  13. Félix

    Pelo amor de Deus, minha gente! Antes de expressar qualquer comentário, vamos aprender a escrever direito! Como se mata a língua portuguesa! Independente da liberação ou não da maconha, VAMOS EXIGIR DO GOVERNO MELHOR EDUCAÇÃO A ESSE POVO!!!!!!!!!!!!!

    Reply
  14. Rodrigo

    Como está a questão das drogas AGORA ?
    Como a politica de repressão de AGORA esta se saindo ? Estamos impedindo que crianças não usem drogas ? Que elas não trabalhem no trafico ? Ou pelo menos, os usuários estão sendo bem informado ? estamos mostrando onde se tratar, ou não deixando que usuários (pessoas com fraquezas a drogas) visitem os traficantes ?

    Oque me faz pensar a favor da descriminalização é impedir que usuários entrem na “faculdade do crime” Cadeia, já vi isso acontecer. Estamos tirando as oportunidades dessas pessoas, ao invés de oferecer tratamento, estamos oferecendo uma carreira no crime.

    Na Holanda ainda a trafico pela legalização deles serem parcial, la você pode vender nos cafés mas não pode produzir. Como vender sem produzir ? Comprando do trafico. E se num pais de primeiro mundo a demanda faz o trafico conseguir cumprir sua função, não é a repressão brasileira que vai conter o trafico.

    Quem como eu que defende a descriminalização da maconha sabe que a repressão não esta funcionando. E que é melhor informar a prender as vitimas dessa droga.

    Reply
  15. ubirajara Cavalcanti

    Infelizmente para um jovem, entende-se que liberar o consumo da maconha, está se querendo induzir ao consumo.Para aqueles que já passaram pelo deserto dos vícios de drogas pesadas, descansarem no consumo da maconha, pode até vir a liberação da maconha como uma alternativa viável, mas não é na verdade a adequada.Como a ilusão de um oásis, se comparado ao deserto das drogas pesadas. Mas o que me preocupa, são os jovens que estão chegando aí. Que já entraram no vício do cigarro comum, ( e que por sinal, faz mais mal do que a maconha, conforme cientificamente comprovado ). Já se tornaram alcoólatras por conta do consumo permissivo do alcool e irão somar a essas dependências químicas já adquiridas, mais um vício. E é aí que está o perigoso entendimento. De o jovem crer que ” posso me viciar ” na maconha, pois está liberado. Chego particularmente na conclusão, que o ideal continua sendo investir em informação, e conduzir através da cultura, desde o ingresso da criança na Educação Infantil,a informação do perigo de todas as drogas, seja lícita e/ou ilícita, pois de maus exemplos, já bastam os pais irresponsáveis, que prezam pelo erro do dito popular, ” façam o que eu mando, mas não façam o que eu faço.” E acabam por encaminhar os seus filhos com seus maus exemplos, não só ao consumo de drogas, mas a muitos outros erros, como incentivo a pornografia na internet,a prostituição, sonegação, roubalheira generalizada. Mas isso é outro assunto. Se formos detalhar sobre tudo que faz mal! Voltemos para o tema. Educação…informação adequada…desde a Educação Infantil como disciplina escolar! Liberar a maconha não! Vamos liberar melhores salários para os professores, pois esses profissionais, uma vez bem preparados e remunerados pelo Estado, saberão passar adequadamente também essa lição. E que os pais, também façam o seu ” dever de casa “, dando bom exemplo de domínio próprio, e quando levarem seus filhos a um restaurante ou no churrasco de fim de semana, seja na laje e/ou na casa de campo, prestem atenção nas atitudes. Senão em um futuro não muito distante, irão colher os frutos azedos, dos maus exemplos que foram plantados no coracão e na memória dos seus filhos.Simples assim! “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará!” Esta última frase não é minha. Quem disse isso foi Jesus Cristo! Espero ter sido útil.

    Reply
  16. Amanda, Janiele e Geciara

    Bom, somos contra a liberação da maconha !
    Pois, traz danos para a sociedade. . . Pra que liberar uma coisa que não vai trazer benefício nenhum ?! Bem. apesar de não conhecermos muito esse mundo das drogas, pensamos que só vai trazer mais violência, acidentes e vai aumentar os viciados, enfim…. E as pessoas que querem se livrar disso? Tantas famílias que querem tirar seus entes queridos das drogas, e com essa liberação Fica mais difícil. . .Só teremos mais viciados… Pra que isso ???

    Reply
  17. Marcos de Oliveira

    É claro que existem interesses na legalização porque não existe beneficio nenhum para a sociedade.Com a legalização os que não usam vão usar, e sabe-se que a maconha é a porta de entrada pra drogas mais fortes, segundo relatos não vai acabar o tráfico com a legalização.Devia-se sim proibir o alcool e cigarro que também são portas de entrada para o inferno. Teoricamente dá tudo certo mas na prática vai ser mais um desastre se isso ocorrer.

    Reply
  18. Irineu Horácio Vieira

    Maconheiro é inaPTo pra opinar sobre Maconha, considerando que está afetado em seu Juízo Normal, pelo efeito da droga. Portanto, senhores maconheiros, guardem suas opiniões para emitirem junto ao seu grupo, pois lá estarão em igualdade de juízo. Para nós de fora que não somos dependentes, opinião de maconheiro é sempre patológica.
    tratem-se! Nossa país deve ficar longe de TODAS AS DROGAS. Queremos um povo sadio!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *