Vem aí o 2º Encontro Nacional de Juristas Evangélicos em Cuiabá/MT

A partir de hoje (8), a ANAJURE abre inscrições gratuitas (click aqui) para quem desejar participar do 2º Encontro Nacional de Juristas Evangélicos (ENAJURE), que acontecerá este ano de 8 a 10 Agosto, em Cuiabá-MT, no Tribunal Regional do Trabalho. Além de palestrantes nacionais, o evento tem presença confirmada dos líderes internacionais: Dr. Brent McBurney (Presidente da Advocates International), e Profª. Drª. Nina Balmaceda (Universidade Nyack – New York – EUA).

A ANAJURE divulgará a programação completa do Encontro nos próximos dias, mas já adianta que esta edição do ENAJURE contará com conferências, minicursos e worksop, além de uma nova edição de concurso de artigos científicos para estudantes e profissionais do Direito, cujo edital será divulgado em breve.

Para o Dr. Uziel Santana, presidente da ANAJURE, o tema central escolhido para o 2º Encontro Nacional de Juristas Evangélicos traz a oportunidade de despertar as pessoas para o fato de que para cada direito humano fundamental que existe há também um importante dever humano fundamental. O Dr. Jossy Soares, coordenador da ANAJURE no Mato Grosso e um dos organizadores do evento, destaca que as discussões que serão abordadas no ENAJURE são de extrema importância não apenas para juristas e líderes cristãos, mas para toda a sociedade brasileira.

Os temas se centrarão nas responsabilidades de cunho ético, social e jurídico do ser humano para consigo mesmo, para com o seu semelhante e para com a sociedade. Corrupção moral e institucional, Responsabilidade civil, Responsabilidade social, Responsabilidade das Igrejas, Poderes-deveres do Estado, Ética na vida civil e na vida pública, Defesa das Liberdades Civis Fundamentais, Defesa da Vida, Defesa da Família e Defesa da Liberdade Religiosa são alguns temas específicos do Encontro.

Em direção a uma Apologética Responsiva

Qual a finalidade da apologética cristã? Norman Geisler diz que ela serve para abrir a porta, livrar-se dos obstáculos, desobstruir o caminho, de modo que as pessoas possam achegar-se a Cristo. Com pensamento semelhante Peter Grant também afirma que a apologética tenta ajudar os não-crentes a atravessar a jornada até a fé em Cristo – ir além do abismo cultural e encarar o abismo da cruz a fim de que possam ouvir a mensagem clara do evangelho”[1].

Se Geisler e Grant realmente estiverem certos – e eu acredito que estejam – precisamos nos lembrar que os obstáculos colocados no caminho que conduz à Cruz de Cristo e o abismo cultural que separa as pessoas do evangelho mudam com o decorrer do tempo. Cada época tem seus desafios e empecilhos próprios. E isso exige consequentemente a adaptação da apologética, para que possa responder de forma efetiva às demandas do seu contexto social, sobretudo para desfazer preconceitos contra o pensamento cristão, desmascarar vãs filosofias e destruir os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus (2 Cor.10.5).

Mensageiro da Paz de Abril

MATÉRIA DE CAPA – Página 14 Na Ucrânia, luta de blocos pelo governo mundial Há hoje no mundo três modelos globalizantes em disputa e, nos últimos meses, dois deles entraram em choque na Ucrânia (na fotomontagem, praça em Kiev antes e depois dos protestos). Dois desses modelos já foram matéria de capa do jornal Mensageiro da […]

86% dos brasileiros acha que é preciso acreditar em Deus para que uma pessoa seja boa

Muitas pessoas em todo o mundo acreditam que é necessário crer em Deus para ser uma boa pessoa, conforme resultado de uma pesquisa realizada em 40 países entre 2011 e 2013 pelo instituto americano Pew Research Center.

De acordo o relatório, em 22 dos 40 países pesquisados, a maioria afirma que é necessário acreditar em Deus para ser moralmente bom e ter bons valores. Esta posição é altamente prevalente, se não universal, na África e no Oriente Médio. Na Ásia e na América Latina muitas pessoas também vinculam fé e moralidade. Por exemplo, indonésios, paquistaneses, filipinos e malaios, quase por unanimidade, acreditam que a crença em Deus é fundamental para ter bons valores. No Brasil, 86% dos entrevistados acha que é preciso acreditar em Deus para que uma pessoa seja boa.

Ariano Suassuna e o evolucionismo

Vale a pena conferir esse breve vídeo em que Ariano Suassuna, de forma genial e bem humorada, detona a teoria da evolução. Para não usar outros exemplos que poderiam humilhar ainda mais os macacos (e os defensores do darwinismo), ele usa um simples prendedor de roupas para comprovar a genialidade do homem. (www.comoviveremos.com)  

Os (des)Protestantes

por José San Martin

Em meio à onda de revoltas populares que varrem o mundo, da Síria à Ucrânia, do Brasil à Tailândia, chama a atenção uma palavra que passou a ser usada pelos redatores: “os protestantes”. Soa totalmente fora de lugar, apesar de caber perfeitamente no contexto das notícias. O fato é que houve um tempo em que a pecha de protestante pertencia exclusivamente aos crentes combativos contra o pecado – prostituição, injustiças, adoração pagã e assim por diante. Pessoas tachadas de “antiquadas” ou mesmo “inadequadas” num mundo que sempre “evoluiu” para o refinamento da depravação, corrupção, promiscuidade, exclusão-inversão de valores e toda e qualquer regra moral.