Bem-vindo ao nosso novo blog!

Mudamos o visual mas continuamos com a mesma proposta de defender a fé e desenvolver uma cosmovisão eminentemente cristã.

We Work Efficiently

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam nec rhoncus risus. In ultrices lacinia ipsum, posuere faucibus velit bibendum ac.

DESENVOLVER

Uma visão de mundo autenticamente cristã, observando o mundo sob a perspectiva das Escrituras.

PENSAR

Em conformidade com a Mente de Cristo, a partir dos ensinos de Jesus e do esquema bíblico da Criação, Queda e Redenção.

DEFENDER

A fé com amor e humildade, usando uma apologética atual e relevante.

PROCLAMAR

As Boas Novas do Reino a toda humanidade, a fim de que venham ao conhecimento da Verdade.

Seminários, Cursos e Palestras

Realize em sua igreja ou instituição palestras e seminários sobre cosmovisão e apologética cristã. Conheça alguns de nossos cursos.

Confira as últimas atualizações do blog

Comente e compartilhe nossas postagens

Verdadecristaeradedescrença

A verdade cristã em uma era de descrença

por Charles Colson Entender o Cristianismo como uma cosmovisão é importante não só para o pré-evangelismo, mas também para a apologética, O apóstolo Pedro nos diz: “Estai sempre preparados para...

Censura do TSE

TSE e a censura à liberdade de expressão

A decisão do ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Herman Benjamin, que determinou liminarmente a suspensão imediata da internet de vídeo do pastor Silas Malafaia em que critica o discurso da...

Slide1

Por que cremos em alguma coisa?

Nenhuma pessoa toma decisões dentro de um vácuo existencial, sem considerar sua história, experiência, cultura, valores morais e princípios religiosos, pois todas essas coisas modelam e estruturam a nossa percepção da realidade, isto é, a nossa cosmovisão.

fe

Fé e Razão: Há possibilidade de ambas coexistirem na pós-modernidade?

Há possibilidade de ambas coexistirem na pós-modernidade? Plenária ministrada pelo Pr. César Moisés na 22ª Conferência da Escola Dominical em Curitiba/PR.

eleicaoes2014

Assistam ao Painel sobre “Eleições 2014: Abuso do poder religioso?” no II Enajure

Assistam ao Painel sobre "Eleições 2014: Abuso do poder religioso?" no II Enajure.

dicotomia

Uma Dicotomia Enganadora*

Por Dr. Jónatas E. M. Machado, Universidade de Coimbra, Portugal Onde estavas tu quando eu criei a Terra? Diz-me, se tens entendimento! Jó, 38:4 Os céus e a Terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. Marcos 13: 31 O pensamento moderno sublinha a dicotomia epistemológica entre a Bíblia - do domínio da subjetividade, da fé e da moralidade - e a ciência - com autoridade no plano da realidade objetiva. Para este entendimento, a ciência preocupa-se, acima de tudo, com os fatos, ao passo que a fé releva no domínio simbólico da interpretação subjetiva desses fatos. Em outras palavras, a ciência seria o domínio por excelência das afirmações de fato, ao passo que a fé seria um campo reservado à interpretação e à formulação de juízos de valor. Repare-se que esta divisão de tarefas é manifestamente assimétrica, na medida em que remete para a ciência a definição do que seja o conhecimento daquilo que objetivamente existe, deixando para a religião uma função meramente especulativa e interpretativa, subjetiva, em torno do significado das coisas. A ciência tem assim uma preponderância natural sobre a religião. Aquela é objetiva e sólida, ao passo que esta é subjetiva e precária. A primeira preocupa-se com a realidade e a segunda com sentimentos e crenças. No mundo real elas nunca se encontram, porque estão em esferas diferentes. De acordo com este entendimento, todos teriam racionalmente que aceitar os dados objetivos da ciência, ficando a religião reservada às mentes mais débeis e carentes ou mais dadas a emoções subjectivas1. Assim, todos teriam que acreditar na evolução (facto científico objetivo obrigatório), mas os crentes sempre poderiam dizer, à margem de qualquer evidência empírica, que Deus conduziu o processo de evolução, ou até que Deus é a evolução (crença religiosa subjetiva facultativa).

10351648_4490979288919_6511152006643794697_n

O terrorismo político voltou

O terrorismo eleitoreiro voltou a dar o tom das eleições deste ano. Em reportagem esclarecedora, a revista Veja desta semana ressalta a fúria petista contra a candidata Marina Silva depois de sua crescente nas pesquisas de opinião pública, capaz de colocar em risco a manutenção do poder do atual governo. A chamada da capa sintetiza o atual contexto da campanha eleitoral em curso: “Nunca antes neste país se usou de tanta mentira e difamação para atacar um adversário como faz o PT”. De inicio, a Carta ao Leitor enfatiza que “o PT foge do confronte de ideias. O partido recorre a trucagens baratas em que pratos de comida somem de repente da mesa das pessoas enquanto o narrador explica que é isso que vai acontecer se Marina ganhar e der independência ao Banco Central. Em outra passagem, é o conteúdo dos livros que desaparece em passe de mágica das mãos das crianças, o que o PT assegura ocorrerá com a educação se Marina vencer. O PT deve saber que tipo de eleitor se deixa convencer por esse discurso baseado em premissas falsas e conclusões terroristas. Essa abordagem podem até ter efeitos eleitoreiros, mas desserve a nação e desmoraliza o processo eleitoral. De acordo com a matéria, a campanha eleitoral de Dilma, comandada pelo medalhado marqueteiro político João Santana, deixou de lado todos os escrúpulos, deixou de lado o debate de ideias e propostas, ignorou, enfim, as decências mais básicas da convivência civilizada e passou a mostrar Marina como uma candidata cujas propostas levariam os pobres a passar fome. Marina foi comparada a Jânio Quadros e Fernando Collor, e acusada de tentar acabar com o pré-sal e, assim, tirar da educação 1,3 trilhão de reais.

Voto

Quanto pesa o voto evangélico?

O peso do voto evangélico voltou a ser um dos temas centrais da campanha eleitoral para a presidência da República. No final de semana que passou a mídia deu destaque...

Dawkins

Dawkins afirma ser imoral dar à luz a bebês com síndrome de Down

O sr. Dawkins afirma ser imoral dar à luz a bebês com síndrome de Down. A opinião do biólogo simplesmente expressa a sua cosmovisão ateísta, desprovida de qualquer fundamento ético consistente. Se não há Deus, tudo é permitido. Foi baseado em pensamento semelhante que Hitler fez o que fez.

Onde estou