Mensageiro da Paz de Abril

MATÉRIA DE CAPA – Página 14 Na Ucrânia, luta de blocos pelo governo mundial Há hoje no mundo três modelos globalizantes em disputa e, nos últimos meses, dois deles entraram em choque na Ucrânia (na fotomontagem, praça em Kiev antes e depois dos protestos). Dois desses modelos já foram matéria de capa do jornal Mensageiro da […]

86% dos brasileiros acha que é preciso acreditar em Deus para que uma pessoa seja boa

Muitas pessoas em todo o mundo acreditam que é necessário crer em Deus para ser uma boa pessoa, conforme resultado de uma pesquisa realizada em 40 países entre 2011 e 2013 pelo instituto americano Pew Research Center.

De acordo o relatório, em 22 dos 40 países pesquisados, a maioria afirma que é necessário acreditar em Deus para ser moralmente bom e ter bons valores. Esta posição é altamente prevalente, se não universal, na África e no Oriente Médio. Na Ásia e na América Latina muitas pessoas também vinculam fé e moralidade. Por exemplo, indonésios, paquistaneses, filipinos e malaios, quase por unanimidade, acreditam que a crença em Deus é fundamental para ter bons valores. No Brasil, 86% dos entrevistados acha que é preciso acreditar em Deus para que uma pessoa seja boa.

Ariano Suassuna e o evolucionismo

Vale a pena conferir esse breve vídeo em que Ariano Suassuna, de forma genial e bem humorada, detona a teoria da evolução. Para não usar outros exemplos que poderiam humilhar ainda mais os macacos (e os defensores do darwinismo), ele usa um simples prendedor de roupas para comprovar a genialidade do homem. (www.comoviveremos.com)  

Os (des)Protestantes

por José San Martin

Em meio à onda de revoltas populares que varrem o mundo, da Síria à Ucrânia, do Brasil à Tailândia, chama a atenção uma palavra que passou a ser usada pelos redatores: “os protestantes”. Soa totalmente fora de lugar, apesar de caber perfeitamente no contexto das notícias. O fato é que houve um tempo em que a pecha de protestante pertencia exclusivamente aos crentes combativos contra o pecado – prostituição, injustiças, adoração pagã e assim por diante. Pessoas tachadas de “antiquadas” ou mesmo “inadequadas” num mundo que sempre “evoluiu” para o refinamento da depravação, corrupção, promiscuidade, exclusão-inversão de valores e toda e qualquer regra moral.

Filosofias e vãs sutilezas: outra desculpa para o anti-intelectualismo

por Valmir Nascimento
Outra passagem bíblica empregada como desculpa para o anti-intelectualismo é Colossenses 2.8: “Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas”.

A confusão em torno dessas palavras de Paulo é bem antiga. Tertuliano, um dos pais da igreja do 2º século, ao enfrentar as ameaças do gnosticismo, que tentava combinar elementos do Cristianismo, do Judaísmo e da filosofia grega, teria dito que “é a filosofia que fornece a bagagem intelectual para as heresias”[1]. Ocorre, no entanto, que a crítica de Tertuliano era contra o método dialético de Aristóteles, pelo qual qualquer pessoa poderia justificar quase qualquer conclusão a partir de um argumento coerente, com base em uma premissa maior e uma premissa menor, fossem tais premissas verdadeiras ou não.

Caos social e moral no Brasil: aonde vamos?

Confira os destaques do Jornal Mensageiro da Paz de março de 2014. MATÉRIA DE CAPA – Página 4 e 5 Caos social e moral no Brasil: aonde vamos? Nas últimas semanas, uma sensação de anomia tomou conta da sociedade brasileira. Anomia significa “ausência de leis” ou “ausência de organização”. É, em outras palavras, sinônimo de […]

Fotos do I Congresso Internacional sobre Liberdades Civis Fundamentais da Anajure

No dia 12.03 aconteceu no auditório do Superior Tribunal de Justiça, Brasília/DF, o I Congresso Internacional sobre Liberdades Civis Fundamentais promovido pela Anajure, que teve como objetivo principal debater temas a respeito da liberdade religiosa, liberdade de expressão e objeção de consciência.
O evento contou com a presença de autoridades civis e eclesiásticas de todo o país, além de juristas e estudantes.

Os palestrantes foram o Dr. Jónatas Machado (Universidade de Coimbra – Portugal) e o Dr. Thomas Schirrmacher (International Institute for Religious Freedom – Alemanha).